Publicidade
As incertezas de Lula e do PT

Saiu mais uma pesquisa Datafolha sobre a sucessão presidencial.

Cabem algumas análises e interpretações dos números, que não revelam fatos consumados, mas apenas tendências.

Embora Lula lidere em todos os cenários, o PT vive desafios políticos.

O primeiro deles é a incerteza se Lula será atropelado pela justiça e terá que deixar a disputa.

Os dados revelam Lula à frente, porém com os adversários ainda não definidos, salvo ele e Bolsonaro.

Lula não vai além dos 40% e esse índice gera a dúvida: será que na campanha crescerá ou cairá?

Uma retrospectiva na história do Partido dos Trabalhadores mostra que o sucesso alcançado em 2002 começou pela conquista da classe média.

Naquele ano, Lula às margens do rio Acre, em Rio Branco, exclamou para os seus eleitores: “Lulinha não quer briga. Lulinha quer paz e amor“ e Duda Mendonça transformou esse o slogan na síntese de sua campanha.

De 2013 para cá, o PT tem aumentando o desgaste na classe média e no empresariado.

Sem rumo, o partido apelou até para receitas neoliberais, com Joaquim Levy, indicado pelos bancos para o Ministério da Fazenda.

Nunca governos prestigiaram tanto o empresariado, quanto Lula e Dilma, oferecendo a certeza de que os incentivos, isenções e dinheiro fácil iriam continuar.

Segundo levantamento divulgado nesta semana pelo Ministério da Fazenda, o déficit da Previdência Social seria 40% menor, sem as renúncias fiscais que beneficiaram milhares de empresas, sem falar no dinheiro fácil de financiamentos.

O objetivo era conter o desemprego, que terminou aumentando.

Agora, o dilema de Lula será mudar o seu discurso.

Por exemplo, não terá alternativa, senão tributar o grande capital, a começar pelas grandes fortunas e os dividendos.

Em 2018, o cobertor estará curto e a história será outra.

Não há dinheiro disponível para agradar todo mundo

O PT pareceu Robin Hood, o herói mítico inglês, que se aproximava dos ricos, para distribuir com os pobres.

Para crescer eleitoralmente em 2018 e sair do patamar de menos de 40% nas pesquisas (liderança construída entre os segmentos de baixa renda do país), Lula e o PT precisam construir “reconciliações” difíceis.

Se não conseguir concretizar essas reconciliações, fatalmente o lulismo e o trabalhismo se limitarão a sucessos pontuais nas eleições proporcionais, mas não chegarão à presidência da república, nem a governos estaduais, salvo exceções raríssimas, através de coligações.

Sendo obrigado a tais mudanças de comportamento, Lula jamais poderá se apresentar como conciliador nacional, a exemplo de 2002.

A conjuntura é outra e ele terá também que adotar novas posturas políticas.

Sendo assim, tudo se torna anda mais incerto e imprevisível.

Só resta aguardar, mais um pouco!

Afinal, 2018 está chegando.
 

Ney Lopes – jornalista, advogado, ex-deputado federal; ex-presidente do Parlamento Latino-Americano, procurador federal – nl@neylopes.com.br – blogdoneylopes.com.br

TWITTER
@colunach

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados