Publicidade
23 de Julho de 2017
Autoridades do primeiro escalão do governo e presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal têm o “direito” de usar jatinhos do Grupo de Transportes Especiais, da FAB, mas ninguém se utiliza mais dessa mordomia do que o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Reeleito em fevereiro, já em março fez 26 viagens nas asas da FAB. De janeiro a julho, o presidente da Câmara voou 117 vezes.
Só em janeiro deste ano, com a Câmara dos Deputados em recesso, Rodrigo Maia voou 15 vezes pela FAB, segundo dados do GTE.
Têm “direito” à mordomia dos jatinhos da FAB, além de ministros do governo, os presidente da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal.
Quando presidiu o Senado, Renan Calheiros usou jato da FAB para ir a sessões de implante capilar, no Recife, e a um casamento na Bahia.
O GTE da FAB mantém 18 jatinhos para transportar autoridades. O governo poderia arrecadar mais de R$1,5 bilhão, vendendo a frota.
Publicidade
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, tem sido citado como “simpatizante do PT” e de outros segmentos da esquerda, mas a verdade é que ao denunciar Lula e Dilma ao Supremo Tribunal Federal, em maio de 2016, ele foi tão duro como contra qualquer outro acusado. Para Janot, seria impossível a organização criminosa atuar por tanto tempo no governo “sem que o ex-presidente Lula dela participasse”.
Na ocasião, Janot classificou de “ampla e agressiva” a atuação do grupo liderado por Lula no assalto aos cofres públicos federais.
O Instituto Lula reagiu à denúncia de Janot com uma de suas respostas padrão: “Apenas suposições e hipóteses sem qualquer valor de prova”.
Amigos dizem que, quando jovem, Janot era fã do ex-deputado e ex-presidente do PT José Genoino, condenado à prisão no mensalão.
Na gravação marota de Sérgio Machado, José Sarney disse algo que deveria ter sido levado em conta na Lava Jato: “Nesse caso [dinheiro da Odebrecht a João Santana]... ela [Dilma] tá envolvida diretamente”. Exatamente o que Santana e sua mulher confirmariam meses depois.
No grampo de Renan Calheiros feito pelo seu pupilo Sérgio Machado, o senador alagoano afirma que seu amigo Lula só não foi processado no mensalão “porque Duda Mendonça não foi investigado a fundo”.
Se Lula não tivesse usado o salário de presidente (R$30,9 mil) para pagar nada, nem mesmo imposto de renda, em 8 anos embolsou R$3,2 milhões. Daí o mistério sobre a origem dos R$9,6 milhões encontrados em contas do ricaço petista. A força-tarefa da Lava Jato investiga.
Distribuidoras que importam álcool americano à base de milho, “podre” por ser muito poluente, prejudicando produtores do Nordeste, podem ser enquadrados por oligopsônio, oligopólio na compra do combustível.
O Instituto Lula contabiliza 72 palestras do petista desde 2011. Em 2015, com a Lava Jato bombando, fez apenas três. É que o principal “contratante”, Marcelo Odebrecht, havia sido preso.
Organizações criminosas continuam absolutas. Bandidos usam o telefone 11 2360-8300, que sites especializados identificam como do Centro de Detenção Provisória de São Paulo, para tentar aplicar golpe.
O fim do imposto sindical, aprovado na reforma trabalhista no Senado, foi comemorado por Sérgio Petecão (PSD-AC). Segundo o senador, a “farra foi grande” com os R$4 bilhões embolsados entre 2008 e 2015.
Além de regalias e salário de R$ 33,7 mil, o contribuinte também banca o plano de saúde com cobertura total para senadores e famílias. Foram R$16,5 milhões entre 2015 e 2016; R$ 203 mil por senador no período.
...essa é a última semana para saírem “fatos novos” antes do fim do recesso parlamentar.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados