Publicidade
21 de Maio de 2018
Principal símbolo de poder proporcionado pelo dinheiro fácil da corrupção, o aluguel de jatinhos executivos (táxi-aéreo) parou de crescer a partir da Lava Jato. Desde então, diminuiu o número de aeronaves disponíveis para aluguel. Levantamento da Anac (Agência de Aviação Civil) de 2017 mostra que a partir da operação comandada pelo juiz Sérgio Moro quase cem jatinhos deixaram de voar no País.
Eram 1.574 aviões de táxi-aéreo em 2014; hoje, 1.479. Foi a única categoria de aeronaves (privada, comercial etc.) que reduziu.
O total de aeronaves cadastradas no Registro Aeronáutico Brasileiro é 21.905; cresceu 34% em relação a 2009 e 6% em relação a 2014.
Até o número de aeronaves experimentais cresceu: são mais de 5.500 atualmente. Em 2014 eram apenas 4.958.
Apesar de transportarem maior número de pessoas, os voos comerciais correspondem atualmente a apenas 3% das aeronaves.
Publicidade
Nos tempos de vacas obesas da corrupção da JBS/J&F e Odebrecht, que não se repetirão, o MDB recebeu R$90,1 milhões em doações na campanha para deputados federais de 2014. O PT, R$89,8 milhões. Este ano é proibida a doação eleitoral de empresas e também há limite sobre o total que poderá ser gasto nas campanhas. Quem quiser ser eleito deputado federal só poderá gastar no máximo R$ 2,5 milhões.
Deputados do PT e MDB levaram R$2,35 milhões e R$4,12 milhões (da JBS) e R$488 mil e R$878 mil (da Odebrecht) respectivamente.
O PT embolsou em 2017 mais de R$ 98 milhões do Fundo Partidário. O MDB faturou quase R$79 milhões, um pouco menos que o PSDB.
O Fundo Partidário banca os partidos mensalmente e distribuiu mais de R$ 740 milhões em 2017. Ultrapassará R$1 bilhão em 2019.
As cinco maiores estatais do governo federal (Banco do Brasil, BNDES, Caixa, Eletrobras e Petrobras) somaram prejuízos de R$32 bilhões em 2015, mas em 2017 realizaram lucro de R$28,4 bilhões.
Em 2010, a Petrobras vendeu na Argentina 250 postos e uma refinaria por valor muito abaixo do mercado: US$110 milhões. A Justiça Federal do Rio investiga a venda, realizada no apagar das luzes do governo Dilma. O prejuízo da venda é estimado em mais de R$1 bilhão.
O Partido dos Trabalhadores, que teve três ex-presidentes presos por corrupção, já embolsou do “fundo partidário” mais de R$ 34,5 milhões somente em 2018. É o partido que mais fatura no Fundo.
Chefão da Fecomércio/AM há 32 anos, José Tadros diz que limitará o mandato de presidente da Confederação Nacional do Comércio, mas não diz por quanto tempo: “É questão de foro íntimo”. Seu concorrente, Laércio Oliveira, joga claro: eleito, só permitirá uma única reeleição.
Pesquisa IdeiaBigdata/Bites com 1482 eleitores mostra que internet e redes sociais influenciarão o voto de 43,4%. E exatos 59,5% pretendem seguir os seus candidatos no Facebook, Youtube, Instagram e Twitter.
Entre abril e maio, o Paraná Pesquisa perguntou a 2.002 eleitores quais são seus maiores medos para o futuro. Venceram: a violência e insegurança (29,1%), desemprego (27,6%) e crise econômica (26,7%).
A Resolução 23.553 do Tribunal Superior Eleitoral, de fevereiro, definiu os limites para gastos com campanhas: presidente, R$70 milhões; governador, até R$ 21 milhões, senador R$ 5,6 milhões no máximo.
Há 10 anos, enquanto o País se distraía com o dossiê anti-FHC, na CPMI de Cartões Corporativos, líderes do então governo Lula tentaram recriar a CPMF, rebatizada de ‘Contribuição para a Saúde’. Não vingou.
...o “General Inverno”, que derrotou os alemães da II Guerra na Rússia, botou pra correr o que restava do “acampamento pró-Lula” em Curitiba.
Publicidade
busca
colunas anteriores

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2018 - Todos os direitos reservados