Publicidade
Gazeteiros históricos

Não é de hoje a falta de disposição dos deputados para o trabalho. Campos Salles, que presidiu o Brasil entre 1898 e 1902, enviou uma carta ao então presidente da Câmara, deputado Xavier da Silveira, em que solicita sua “intervenção” para “obter o comparecimento dos deputados na sessão da Câmara”. Campos Salles se queixava em sua carta de 8 de abril de 1901 que “até hoje não temos um Orçamento sequer votado pela Câmara”. E advertia: “Nada pode ser mais grave do que isto”. Vai mais além: “É preciso não só que (os deputados) compareçam, mas que permaneçam durante a sessão, pois a praga é: entrar por uma porta e sair pela outra”.

Permanece atual.

Perguntas convenientes

Na campanha para governador, em 1990, Roberto Requião concedia entrevista na TV Cidade, em Londrina (PR), quando seu assessor Waurides Brevilheri Jr entregou ao apresentador do programa, Próspero Neto, cinco perguntas a serem distribuídas aos jornalistas participantes. Perguntas que Requião queria que fossem feitas. Os jornalistas, é claro, recusaram a manipulação.

Saudades de Juma

Em 1990, a finada Rede Manchete exibia a novela “Pantanal”, seu maior sucesso com a sensual “Juma”, personagem da atriz Cristiane Oliveira. Na Câmara, um deputado evangélico, João de Deus (PDS-RS), atacou a novela, chamando-a de “pornográfica, imunda” etc. O então deputado José Genoino (PT-SP), que na época ainda tinha senso de humor, provocou o colega quando ele deixava a tribuna:

- Você há de convir que a Juma Marruá é uma gracinha...

João de Deus parecia estar diante do Satanás. Levantou os braços e gritou:

- Te converte! Te converte!

O gato é bravo...

Três dias após renúncia de Jânio Quadros (28 de agosto de 1961), o deputado udenista Adauto Lúcio Cardoso subiu à tribuna para atacar os ministros militares que se opunham à posse do vice João Goulart, em visita à China. Adversário de Jango, Adauto propôs enquadrar os militares na Lei de Segurança Nacional. Seu colega Aliomar Baleeiro (UDN) pediu um aparte para concordar com ele “em gênero, número e grau”, mas fez uma pergunta incômoda:

- Quem é que vai colocar guizo no gato? Eu é que não vou...

Empate deu nocaute

Os então deputados Íris de Araújo (GO) e Cezar Schirmer (RS) disputavam no PMDB a última vaga de suplente na bancada brasileira do Parlamento do Mercosul, e a votação deu empate. Pelo regimento, o desempate se dá pelo critério de idade: vence o mais velho. Schirmer foi logo declarando a idade: 55 anos. A deputada olhou para um lado, para outro, e jogou a toalha:

- Abro mão da disputa em favor do deputado Cezar Schirmer. Não revelo a minha idade por nada neste mundo!

Evo quer Funai

Durante encontro de magistrados federais no Rio de Janeiro, antes de ser cassado, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) revelou sua desconfiança sobre tantas visitas ao Brasil do presidente da Bolívia, o cocaleiro Evo Morales, aquele que promoveu o afano dos investimentos brasileiros em seu país:

- Vem tanto, fala tanto do Brasil, é tão obcecado pelo Brasil, que desconfio que ele está querendo trocar a presidência da Bolívia pela da Funai".

A Justiça no reino do céu

O então presidente do STJ, ministro Rafhael Barros Monteiro, almoçava, em Madri, com juízes do Supremo Tribunal do Reino da Espanha, entre eles Afonso Lopes Sena e a secretária-geral da Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado, a brasileira Maria Elisa Berenguer. Conversavam sobre o interesse espanhol em casos fora de sua jurisdição (o juiz Baltazar Garzón processou Augusto Pinochet). Bem-humorada, ela perguntou a Lopes Sena:

- Vocês também atuam no reino do céu?

O magistrado espanhol respondeu de bate-pronto:

- Não, porque no reino do céu só tem pessoa física.

Preço justo

Envolvido na campanha ao governo de Santa Catarina. em 1965, Aderbal Ramos da Silva, presidente do PSD, não sabia como se livrar de Jack, um boêmio, chato, que não largava seu pé. Um dia entregou-lhe uma quantia:

- Jack, por favor, entregue estes Cr$ 100 mil ao Gordon. Em mãos.

Ele só voltaria um mês depois:

- Dr. Aderbal, procurei o Gordon por todos os lados. Fui ao Rio, São Paulo e Porto Alegre e não o encontrei. Gastei o dinheiro procurando o homem...

Aderbal disse que não tinha problema. Afinal, livrou-se dele por um mês!

- A propósito, dr. Aderbal – perguntou Jack, intrigado – quem é o Gordon?

Luva fina

O ex-chefe de gabinete da liderança do PMDB na época de José Borba (PR), Roberto Bertholdo passeava pelo Congresso, após resolver uma – digamos – desavença com o ex-sócio Sérgio Costa, e não cansava de explicar a amigos e deputados a mão machucada:

- Eu estava de luva para não machucar a mão, mas como ele resistiu e a coisa demorou muito, acho que escolhi uma luva muito fina...

Só fazendo milagre

Num debate sobre a reforma tributária, o então presidente do Sindicato da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, Joseph Couri, lembrou o exemplo de Jesus Cristo, que permanece atual. Cristo mandou pegar um peixe e retirar de sua boca uma moeda de ouro, para pagar tributos ao coletor de impostos de Jerusalém. Couri desabafou:

- Se, naquela época, com a carga tributária e a burocracia infinitamente menores, Jesus Cristo teve de fazer milagre para pagar impostos, imagina os pobres mortais de hoje em dia, com a carga a quase 40% do PIB!

TWITTER
@colunach

 
Busca
Redes sociais
@diariodopoder
© 1998 - 2017 - Todos os direitos reservados